sábado, 15 de janeiro de 2011


Professores ou mestres?

A convite do mestre de artes marciais (judô e jiu-jitsu brasileiro) Daigo Rodrigues, subi na quinta-feira, dia 13, o morro de Santa Terezinha, para conhecer o trabalho pedagógico que ele, com outros mestres, desenvolvem junto a crianças e adolescentes da comunidade. Depois de quase nove anos a escola é um celeiro de campeões. Um de seus alunos, Robson Marcelino, foi campeão mundial e pan-americano.
Após a visita, fiquei a pensar que nossas escolas buscam professores, quando, na verdade, precisamos de mestres. O mestre vai além da escola, persegue uma via; não apenas ensina, exemplifica. E lembrei de um dos grandes livros que li, Poema pedagógico, de Anton Makarenko. Sobretudo na insistência do seu autor em afirmar – a partir de sua experiência na Colônia Gorki – que a questão da educação e sua metodologia devem estar separadas da questão do ensino, na medida em que a educação não acontece apenas dentro da escola.
No dia em que isso for compreendido e o ensino se der através de mestres, como os que conhecemos, a educação, no seu sentido mais amplo, poderá ser alcançada. Será o dia em que nossos governantes deverão colocar seus filhos nas escolas públicas, para que a palavra “democracia” possa começar a ganhar, de fato, seu sentido.

(*)

Rolar dentro de si
como a pedra no poço.
Do arco do corpo
desencadear o sopro.
Avistar
onde o olhar não alcança:
ler os passos de Deus
dentro da dança.

(*) Everardo Norões: A rua do Padre Inglês (Editora 7Letras. Rio de Janeiro)

2 comentários:

JOSE FLORÊNCIO disse...

Conheço o Mestre Daigo desde criança, e posso afirmar com toda a convicção, que o resultado dos seus esforços, estão chegando com o reconhecimento e divulgação desse projeto social, onde crianças que no berço de sua criação mal tem oe que colocar na mesa. Parabéns mestre, continue a perseverar.
Mestre Caboclo Kazembê

Anônimo disse...

Parabéns pra Everardo Norões pela matéria e parabéns também pro Mestre Daigo Rodrigues.